RAIVA E INFARTO – Por Luiz Freitag (*)

Imprimir
Categoria: Dicas e Fatos

Já há muitos anos comenta-se, entre médicos e leigos, que a raiva mata. Entretanto, ainda não há comprovação dessa assertiva. A Universidade de Harvard publicou, em janeiro deste ano, um importante estudo que levou mais de sete anos de pesquisas para avaliar a relação entre raiva e outras emoções, na gênese de infarto.

A partir de 1959 os médicos cardiologistas americanos Meyer Friedman e Ray Rosenman expuseram suas teorias de estudos dividindo os pacientes em três tipos de personalidade, de acordo com seu comportamento, denominados tipo A, B e C.

Os indivíduos do tipo A são extremamente competitivos, explosivos. Qualquer atitude que os desagrade, como críticas ao seu trabalho, pode deixá-los nervosos, com raiva, externando muitas vezes suas emoções em rompantes, com gritos e até agredindo o ofensor.

Os do tipo B já são mais tranquilos, fazem seu trabalho com meticulosidade, não realizam várias tarefas ao mesmo tempo e procuram cumprir o seu descanso diário.

Já os do tipo C podem ter ambição de se desenvolver, mas se mostram inseguros.

Desde essa época vários estudos com pacientes portadores de doença coronariana mostraram que os indivíduos do tipo A tinham infartos com mais frequência do que os do tipo B, mas não se comprovaram as causas.

As atuais pesquisas de Harvard compreendem uma revisão de trabalhos médicos publicados desde janeiro de 1966 até junho de 2013. Foram analisados 4.546 casos de infarto relacionados com crises de raiva, pelo menos até 2 horas após o ataque de fúria. Também foram constatados 462 casos de alterações agudas das coronárias, 590 acidentes vasculares cerebrais isquêmicos, 215 acidentes vasculares cerebrais hemorrágicos e arritmias diversas em 306 pacientes.

Foi constatado que pacientes diabéticos ou com doenças cardiológicas associadas têm maior probabilidade de sofrer infarto após um ataque de raiva. Entretanto, não foi possível detectar causas biológicas para explicar a relação entre o ataque cardíaco e a raiva. O que se pode afirmar é que o estresse emocional enfrentado pelo organismo aumenta a frequência cardíaca e a pressão sanguínea. Durante a crise de raiva há um aumento na liberação de hormônios tais como o cortisol que, conforme as repetições constantes se associam a outros na formação de aterosclerose. No caso de extrema fúria, pode ocorrer formação de coágulos no sangue, que conduzem rapidamente ao infarto.

O que podemos recomendar aos nossos Irmãos leitores, bem como a você, amigo empresário, é tentar não se enfurecer por qualquer motivo. Se você se enquadrar na classificação de indivíduo tipo A, como descrevemos acima, a possibilidade de ter um infarto será maior. Os psicólogos recomendam contar até dez antes de querer se exaltar. Controle-se. Seu coração agradece.

 

(*) LUIZ FREITAG – Dr. - Médico geriatra, autor do livro “Como transformar a terceira idade na melhor idade” Ed. Alaúde. SP - Membro titular da Academia de Medicina de São Paulo- O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Contato

Nívio Terra - Advogado de Negócios e Consultor Pessoal
nivio@PortaldoSocioedaSociedade.com.br
nivio@terracpe.com.br

Credite a fonte

O CONTEÚDO DO PORTAL DESPERTOU INTERESSE, COPIE, MAS CREDITE A FONTE. SUA ÉTICA SERÁ O FISCAL DESTE PEDIDO.
Copyright 2011 RAIVA E INFARTO – Por Luiz Freitag (*) - Joomla