HOMENAGEM - DR. ROBERTO ÓPICE - O ADVOGADO E HOMEM DE BEM. Por Nívio Terra

Imprimir
Categoria: Dicas e Fatos

No dia 03/07/2013 o infortúnio nos tirou o convívio físico do Advogado e Homem de Bem – Dr. Roberto Ópice, deixando os filhos Paulo, José Roberto, Maria Cecília e Luís Augusto, as noras Sandra, Regina e Nelita, o genro José Pedro, netos e bisnetos e uma plêiade de parentes, amigos e clientes.

Talvez seja eu, fora da família, quem mais tenha usufruído da presença do sempre amigo e inspirador, Dr. Roberto.

Durante ONZE – 11 – anos tive com ele estreito contato de trabalho, podendo receber preciosos ensinamentos, sempre acompanhados, na verdade, de conselhos, com a maior ética e moralidade.

Nem sei até distinguir o que foi de melhor que dele recebi, de tanto que foram ótimos seus direcionamentos e lições, tudo necessário, na nossa difícil profissão que é a Advocacia, quando se procura atender o cliente com proficiência, sem descambar para o oportunismo e eventuais malfeitos (palavra esta tão apequenada na atualidade).

Se algo de bom produzi no trabalho direcionado para o fecundo Escritório de Advocacia do Dr. Roberto Ópice, muito, mas muito, dele recebi, por íntima inspiração, quando na sequência dos serviços que executava na minha própria Oficina, de tão impregnados estavam na minha consciência seus ideais de bem servir.

A Advocacia brasileira perde um dos seus máximos e melhores cultores.

Esta falta é imensurável.

Através destas palavras procuro transmitir à Distinta Família a demonstração de admiração e carinho que sempre tive para com o Advogado e Homem de Bem,

DR. ROBERTO ÓPICE.

Permito-me aqui reproduzir o Memorial preparado por um de seus filhos e cuja esposa leu na Missa de 7º dia realizada no dia 10/julho/2013.

oooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooo

Dr. ROBERTO OPICE – Por Luis Ópice.

Falar sobre a vida e o legado do Dr. Roberto Ópice, para um filho emotivo com eu, é muito difícil neste momento.

Porém, diante de tantas manifestações de carinho de amigos, clientes, companheiros de trabalho e conhecidos que o meu pai amealhou ao longo de sua vida, não poderia deixar de escrever algo que, a meu ver, mais caracterizou sua passagem entre nós.

A sua história de vida ficou marcada pela tragédia que abalou a família de José Ópice e Angelina Ópice, em decorrência da morte precoce do meu avô José, em acidente automobilístico ocorrido em 1927, na estrada que liga Araraquara a Jaboticabal.

Dona Angelina, minha avó, teve que criar seus 05 filhos, todos entre 11 e 04 anos de idade, pedalando, dia e noite, uma máquina de costura na qual confeccionava lindos vestidos.

A partir desse triste momento de sua trajetória, meu pai deve ter sido iluminado pelo Arcangelo Miguel, que nos ensina:

“Temos que erradicar da alma todo o medo do que o futuro possa trazer ao homem”

“Temos que adquirir serenidade em todos os sentimentos e sensações a respeito do futuro”

“Temos que olhar para frente com absoluta equanimidade para com tudo que possa vir”

“Isto é parte do que temos de aprender nesta era, a saber: viver em pura Confiança”

“Em verdade, nada terá valor se a Coragem nos faltar”

“Disciplinemos nossa vontade e busquemos o despertar interior todas as manhãs e todas as noites”

Sua existência caracterizou-se pela Coragem, Confiança e Disciplina.

Foram esses valores fundamentais que fizeram meu pai saber enfrentar, altivamente, as vicissitudes que, a perda prematura do pai, causaram à sua vida, e a de seus queridos irmãos, mãe, tios e primos.

Corajoso, confiante e disciplinado, tomou o lugar do pai junto aos irmãos e mãe no sentido de protegê-los e ajudar em tudo e muito mais que fosse possível a um garoto de 10 anos fazer.

Estudou o que era possível estudar em Araraquara até os 17 anos.

Veio sozinho para São Paulo cursar o Pré-jurídico, pois já havia traçado o seu futuro profissional como Advogado.

Em 1940 formou-se em Direito no Largo de São Francisco.

A partir daí exerceu o seu maior sacerdócio: a Advocacia.

Também no exercício da Advocacia, pautou seu trabalho com Coragem, Confiança e Disciplina.

Coragem para enfrentar nos tribunais as causas que lhe eram confiadas pela sua clientela.

Clientela que, na sua grande maioria, reconhecia no Dr. Roberto, além do advogado estudioso, astuto e combativo, um amigo e conselheiro para todos os momentos e para os mais delicados assuntos.

Por essa razão, lembro-me do papai dizendo, com a sua sabedoria e simplicidade, ao meu irmão José Roberto, quando seu retorno dos EUA, que jamais poderia transformar sua advocacia em “advocacia padrão americana”, pois como iria cobrar, via “time sheet”, um amigo/cliente que lhe procurasse para falar de um assunto pessoal...

Com a Dona Antonieta, sua única amada de toda a vida, casou-se e formou sua família, a quem dedicou à outra parte de sua vida.

Trouxe para São Paulo, os tios Rubens e Remo, e depois a vovó Angelina com a tia Mariazinha e o tio Renato, ambos ainda jovens.

Araraquara, da dura infância e juventude, ficara para trás.

Abraçou a cidade de São Paulo e dela se tornou um cidadão exemplar.

Durante anos promoveu na nossa casa, da Almirante Pereira Guimarães, sessões de cinema no salão que construíra especialmente para essa finalidade.

Os familiares, amigos e vizinhos lotavam o salão para assistir os filmes que um distribuidor de películas, seu cliente e amigo, lhe cedia.

Na juventude de meus irmãos e minha, nossa casa da Almirante sempre foi o ponto de encontro e reunião dos nossos amigos, fosse para estudar, fosse para ir ao Pacaembu, fosse para as reuniões de final de semana, regadas a “comes e bebes” que a Dona Antonieta sempre preparava.

Lá se discutia de tudo, principalmente política, economia e futebol, apesar deste esporte meu pai nunca ter sido aficionado. Mas, em compensação, o Rubão, o Reminho e o tio Renato adoravam falar com os sobrinhos sobre o assunto.

Corajoso que era o Dr. Roberto pediu, em 1967, em plena Ditadura Militar, a exoneração do cargo de Auditor de Guerra, pois não se sujeitava a qualquer tipo de pressão para pautar seus julgamentos.

Homem de convicções políticas, econômicas e sociais, soube construir sua vida com absoluta fidelidade aos seus princípios e valores, parecendo, por vezes, ser intransigente.

Mas nunca o foi.

Sua disciplina, às vezes confundida com intransigência, aliada a coragem e confiança que sempre teve no seu futuro, o fez se tornar esse Homem exemplar que nos deixa e que lega aos seus descendentes, parentes e amigos um rol de bons exemplos, princípios e valores como pai, esposo, filho, irmão, tio, avô, advogado, amigo e patrão que foi.

Luis Augusto Ópice

10 de Julho de 2013

Contato

Nívio Terra - Advogado de Negócios e Consultor Pessoal
nivio@PortaldoSocioedaSociedade.com.br
nivio@terracpe.com.br

Credite a fonte

O CONTEÚDO DO PORTAL DESPERTOU INTERESSE, COPIE, MAS CREDITE A FONTE. SUA ÉTICA SERÁ O FISCAL DESTE PEDIDO.
Copyright 2011 HOMENAGEM - DR. ROBERTO ÓPICE - O ADVOGADO E HOMEM DE BEM. Por Nívio Terra - Joomla