SAÚDE E MEDICAMENTOS NA TERCEIRA IDADE – Por Dr. Luiz Freitag (*)

Imprimir
Categoria: Dicas e Fatos


 “A investigação das doenças progrediu de tal forma, que é quase impossível encontrar alguém totalmente saudável.” - “ Admirável mundo novo” , 1932, livro de Aldous Huxley (1894-1963), romancista e ensaísta inglês”
 
 
 
 É difícil definir o que é a morte, quanto mais o que é a vida. Em vários artigos, em diversos períodos, a revista americana “New Scientist” produziu uma série de ensaios com personalidades do mundo atual sobre a questão do prolongamento da vida, mesmo convivendo com doenças crônicas e incapacitantes.
 
 Esses ensaios motivam discussões a respeito da indústria farmacêutica, que não demonstra muito interesse em pesquisas sobre a cura de doenças crônicas. Pelo contrário, é dada maior ênfase à produção de numerosas drogas, que possam prolongar a vida desses pacientes, com manutenção das doenças crônicas, ainda sem perspectiva de cura.
 
 É a velha questão do interesse econômico, que dá prioridade à produção de novos medicamentos, mesmo com efeitos colaterais. É mais lucrativo lançar novidades em medicamentos, sem investir em pesquisas de drogas que possam levar à cura de determinadas doenças.
 
 Há maior índice de sobrevivência das pessoas mais idosas em todo o mundo, mas esse dado não garante que essa população esteja totalmente sadia. O que se pode assegurar é um menor índice de mortalidade em algumas doenças, comparando com a época de Huxley, falecido em 1963, mas houve o surgimento de novas doenças, como a AIDS.
 
 É quase impossível calcular o número de medicamentos lançados no mercado mundial todos os anos. A América Latina tem sido um local onde os laboratórios farmacêuticos fazem testes com medicamentos e quando se constatam efeitos colaterais graves, o lançamento mundial do produto é cancelado.
 
 Muitas vezes os próprios centros universitários estão comprometidos com a indústria farmacêutica, como é do conhecimento do grande público. Somente 14% dos resultados negativos ou prejudiciais causados por esses produtos são divulgados, ao passo que 90% dos resultados positivos são mais difundidos. É importante ressaltar que a maioria desses estudos utiliza como amostragem uma população que poucas vezes ultrapassa 60 anos.
 
 Não é necessário mencionar, porque está na memória das pessoas, os nomes de várias drogas retiradas recentemente do mercado, devido a efeitos colaterais, mais nocivos do que os próprios benefícios trazidos pelo medicamento. Para exemplificar, remédios para artrite reumatoide e lesões da coluna lançados sem um estudo mais aprofundado, mostraram-se inadequados, provocando outras doenças.
 
 Há um importante trabalho científico do Prof. Gurwitz, de 1994, publicado na revista médica americana “JAMA”, mostrando o seguinte: em ¼ dos idosos tratados com três ou quatro medicamentos, pelo menos um desses foi prejudicial.
 
 Com bons remédios disponíveis para a manutenção da saúde, com receita médica e revisão periódica unindo-se ao avanço da tecnologia, é possível escolher o tipo de velhice que se quiser, excluindo-se, é claro, os fatores genéticos. Pode-se optar por ser um velho musculoso, um bom companheiro, um velho sábio ou ser uma mescla de todas as qualidades.
 
“Se o seu médico acha que é próprio da velhice a debilidade, a impotência ou algo parecido mude imediatamente de médico”. Esta afirmação é do saudoso médico e filósofo Prof. Jean Claude Nahoum, da Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro.


(*) LUIZ FREITAG - Dr. - Médico geriatra, autor do livro “Como transformar a terceira idade na melhor idade” Ed. Alaúde. SP - Membro titular da Academia de Medicina de São Paulo- O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

 

 
  
 
 
 
 
  
 

Contato

Nívio Terra - Advogado de Negócios e Consultor Pessoal
nivio@PortaldoSocioedaSociedade.com.br
nivio@terracpe.com.br

Credite a fonte

O CONTEÚDO DO PORTAL DESPERTOU INTERESSE, COPIE, MAS CREDITE A FONTE. SUA ÉTICA SERÁ O FISCAL DESTE PEDIDO.
Copyright 2011 SAÚDE E MEDICAMENTOS NA TERCEIRA IDADE – Por Dr. Luiz Freitag (*) - Joomla